A importância do sono para atletas profissionais

10 de fevereiro, 2021

A importância do sono para atletas profissionais

No final de janeiro, o Persono anunciou o patrocínio ao COB – Comitê Olímpico do Brasil. Mais do que um simples apoio e fornecimento de materiais, haverá uma parceria real entre os nossos times técnicos e científicos, ambos com foco total na importância da qualidade do sono para atletas de quaisquer modalidades.

No Dia do Atleta Profissional, reunimos alguns dados e pesquisas que reforçam a importância dessa união entre o COB e o Persono e como cuidar do sono para atletas do Brasil pode influenciar no desempenho dos nossos esportistas e até garantir medalhas em Tóquio.

O sono para atletas é diferente dos demais?

Sim e não.

Não porque, afinal, antes de mais nada os atletas são seres humanos e, como todas as pessoas, eles precisam dormir bem para se manterem saudáveis física e mentalmente.

E sim porque, como atletas, eles levam os corpos a limites de estresse incomparáveis a todos os demais. Um esportista profissional tem na sua fisiologia o seu instrumento de trabalho e precisa dela no melhor dos seus rendimentos todos os dias. 

Por outro lado, dormir mal leva ao acúmulo de fadiga, sonolência e mudanças repentinas de humor. Não dá pra disputar uma medalha olímpica quando se está cansado, sonolento e irritadiço, não é mesmo?

Além disso, a privação do sono também pode resultar alterações na metabolização de carboidratos, no apetite e na síntese de proteínas, três fatores que fazem desabar o status nutricional e endócrino dos atletas, derrubando a qualidade da sua performance. 

Os efeitos positivos do sono na performance esportiva de alto nível

Menores erros, menor velocidade de reação, menos lesões, maior precisão e pontaria, mais velocidade, melhores reflexos e melhor performance generalizada. Esses são apenas alguns dos benefícios do sono para atletas, todos eles resultados de pesquisas nos institutos e universidades de mais prestígio no mundo.

Precisão

Um estudo conduzido com atletas da MLB (Major League Baseball, a liga profissional de Baseball nos Estados Unidos) mostrou que, ao longo da temporada, a precisão das bolas atiradas diminuía consideravelmente e de maneira linear, diferente da crença popular. Os resultados foram consistentes ao longo de cinco anos.

Para o médico Scott Kutscher, da Universidade Vanderbilt, em Nashville, a explicação para isso é a fadiga, as viagens e os dias de descanso irregulares, atrapalhando o sono dos atletas. 

Lesões

Atletas que dormem menos de seis horas antes de uma partida importante têm maior probabilidade de sofrer lesões durante uma partida. 

Isso se deve ao cansaço gerado pela noite mal dormida, que ocasiona uma velocidade de reação mais baixa aos sustos e impactos, e à falta de tempo para o corpo se recuperar de cansaço e microlesões anteriores, facilitando machucados mais graves depois. 

Menor tempo de reação

Em esportes de explosão e velocidade, como natação ou atletismo de curta distância, ou em momentos decisivos, como uma disputa de pênaltis, um centésimo de segundo pode fazer a diferença entre uma vitória e uma derrota. O tempo de reação é fundamental para os atletas. 

Nadadores que dormem 10 horas por noite não apenas saltam do bloco de partida mais rapidamente, como também melhoram os seus tempos de virada e a velocidade de batida de pernas. Em resumo: dormir é uma das receitas de sucesso na natação.

Velocidade

A Universidade de Stanford conduziu uma análise com jogadores de basquete, que estenderam suas horas de sono para 10 horas por noite. O resultado foi que o sprint de meia-quadra e o sprint de quadra completa foram mais velozes.

Em linguagem esportiva, isso significa que uma equipe é capaz de criar ataques, contra-ataques e remontar a sua defesa mais rapidamente.

Resistência

A privação de sono inibe a resistência dos atletas ao aumentar a percepção de exaustão. O cansaço físico parece maior do que realmente é depois de uma noite mal dormida.

No caso de ciclistas, por exemplo, uma única noite ruim após um dia de treinos intensos pode derrubar em 4% o tempo de completude de uma prova de 3 quilômetros. Quedas de performance similares foram notadas em jogadores de vôlei e atletas amadores em um teste em esteira. 

Parâmetros de qualidade do sono para atletas

Sendo o sono tão importante para o desempenho de atletas profissionais, os parâmetros de qualidade também são diferentes do “cidadão comum”. E se definir claramente o que é dormir bem já é difícil no dia a dia, no caso tão crucial de esportistas é ainda mais complexo.

Com isso em mente, um grupo de pesquisadores do Laboratório de Biomecânica da Universidade de São Paulo conduziu um extenso estudo e chegou a uma lista de indicadores de qualidade do sono para atletas, todos executados sem a necessidade de uma polissonografia. São eles:

– Eficiência do sono, medida por actigrafia;

– Latência do sono, medida por actigrafia;

– Episódios de despertar, medidos por actigrafia;

– Tempo total durante episódios de despertar, medidos por actigrafia;

– Qualidade e eficiência do sono, medidas com o Índice de Qualidade do Sono de Pittsburgh;

– Escala Likert de Hooper;

– Escala Likert própria;

– Questionário de Jet Lag de Liverpool

– Estresse e recuperação por RESTQ (Recovery Stress Questionnaire, o Questionário de Recuperação de Estresse).

Atletas profissionais que confiam no sono para aumentar sua performance

“O sono é extremamente importante para mim. Eu preciso descansar e me recuperar para que os treinamentos que eu faço sejam absorvidos pelo meu corpo”. A frase é de ninguém menos que Usain Bolt, o jamaicano dono de oito ouros olímpicos (seu nono ouro, nos 4x100m de Pequim, foi devolvido quase 10 anos depois quando foi comprovado o doping de um de seus companheiros de equipe).

Stephen Curry, um dos melhores atletas da NBA na atualidade, usa como técnica os cochilos periódicos antes das partidas. “Quando você acorda (da soneca), já sabe que é hora do jogo e hora de focar, ele declarou ao New York Times.

A ex-tenista russa Maria Sharapova, vencedora de 5 Grand Slams, também confessou que seu preparo para as grandes competições consistia em dormir algumas horas a mais por noite. Em entrevistas, ela chegou a dizer que dormir é seu hobby.

Nenhum deles, porém, é tão radical quanto foi Michael Phelps quando competia. Dono de 18 medalhas de ouro em Olimpíadas, o nadador dormia em uma espécie de câmara que simula uma altitude de aproximadamente 2600 metros. O objetivo era respirar menos oxigênio e forçar o corpo a produzir mais células vermelhas, responsáveis por levar o gás para os músculos. Como resultado, ele tinha melhor fluxo sanguíneo e resistência.

Talvez o nível de radicalismo de Phelps seja um pouco demais para a maioria das pessoas, mas se até a Sharapova, o Bolt e o Stephen Curry acreditam que é fundamental o sono para atletas, talvez seja hora de valorizar mais o seu, seja você um esportista profissional ou apenas de fim de semana.

Compartilhar artigo

Leia também

Arrow
Arrow
Faça parte da comunidade Persono
Enviaremos somente conteúdos relevantes para contribuir com a qualidade do seu sono e não encher a sua caixa de email