Fake News? Conheça a verdade sobre os maiores mitos do sono

08 de fevereiro, 2021

Fake News? Conheça a verdade sobre os maiores mitos do sono

Ainda era 2017 quando o dicionário britânico Collins escolheu como palavra do anoFake News”. A expressão ficou mais popular no meio político, mas bem que pode ser usada para falar de sono também. Afinal, quem nunca ouviu aquelas lendas urbanas sobre dormir que no final não passavam disso: mitos do sono.

De técnicas para compensar as horas de sono perdidas a supostos vilões da hora de dormir, conheça abaixo 13 fake news do sono e a verdade sobre cada uma delas.

Desmentimos as fake news do sono 

Mito do sono 1: “Tudo bem se eu dormir pouco hoje, compenso no fim de semana”

Falso. E essa talvez seja a maior fake news do sono.

O sono não é um banco de horas que você pode ir compensando de acordo com com a sua necessidade. Ele precisa passar por ciclos repetidos para cumprir as suas funções, como limpeza da memória e fixação de aprendizados. Para que isso aconteça, precisamos dormir o suficiente. Todas as noites.

Se você não dormir bem a noite e precisar de um descanso extra, uma soneca pode ser a solução temporária. Mas cuidado, ela não deve passar de 30 minutos para que você não chegue aos estágios mais profundos do sono e acabe acordando no meio deles, ainda mais cansado do que antes. Evite também sonecas no final da tarde ou à noite: elas atrapalham o sono regular. 

Mito do sono 2: Um cafezinho à noite não tem problema

Tem sim! E por falta de um, são dois os motivos.

A cafeína tem meia-vida de até seis horas. Ou seja, após esse tempo 50% do estimulante consumido ainda está no seu corpo, dificultando que você pegue no sono.

Além disso, aquele cafezinho após o jantar também altera a qualidade do sono. “A cafeína pode diminuir a quantidade de sono não-REM profundo que temos. Como consequência, você pode acordar na manhã seguinte e não se sentir revigorado, recuperado pelo sono, explica o professor Matthew Walker, uma das maiores autoridades em termos de sono no mundo.

++ Leia Mais: 6 alimentos que ajudam você a dormir melhor

Mito do sono 3: O corpo se acostuma a dormir poucas horas. É uma questão de hábito.

Mentira. Se você faz parte do chamado 5AM Club, ou o Clube das 5 da manhã, leia esse ponto com atenção.

Dormir 4 ou 5 horas por noite não é a receita do sucesso, mas sim a receita para uma vida sem saúde. Pouco sono está relacionado à doenças como obesidade, arritmia, hipertensão, diabetes, baixa imunidade e até AVC. 

Isso ainda não convenceu? Então anota essa: homens que dormem cinco horas por noite têm testículos significativamente menores do que aqueles que dormem sete horas ou mais. Também sabemos que mulheres que dormem pouco têm quase 70% mais chances de desenvolver pneumonia. Precisa falar mais?

Mito do sono 4: Quanto mais sono, melhor

Fake news do sono clássica! Dormir muito pode ser sinal de alerta assim como dormir pouco também é.

Sono excessivo pode indicar algum problema de saúde maior e estudos até encontraram maiores taxas de mortalidade em quem passa um tempo exagerado na cama.

Se você dormiu a mais um dia ou outro ou depois de um dia especialmente estressante, tudo certo. Acontece com todo mundo. Mas se isso acontece todos os dias, bata um papo com o seu médico.

Mito do sono 5: A tecnologia acabou com o sono dos adolescentes! 

Mais ou menos. A tecnologia de fato é estimulante e dificulta o sono, mas não somente o dos adolescentes; dos adultos e das crianças também. 

O motivo pelo qual os adolescentes dormem mais tarde é puramente biológico: nessa fase, eles têm um cronotipo mais vespertino, o que naturalmente pede um sono e um despertar mais tardios. É por isso que já existem movimentos que pedem que as aulas comecem depois das 8h00.

Mito do sono 6: Um drink antes de dormir ajuda a ter uma boa noite

Mentira. O álcool é uma substância sedativa, e sedação e sono não são sinônimos. É verdade que você pode “desligar” depois de beber, mas isso não quer dizer que você vai dormir e muito menos dormir bem.

A ingestão de bebidas alcoólicas pode atrapalhar em até 40% a qualidade do sono.

Mito do sono 7: Dormir com uma luz baixinha no quarto não tem problema

Falso. A luz prejudica a produção de melatonina, o hormônio do sono, no corpo. Com isso, o ritmo circadiano pode ficar confuso e atrapalhar a qualidade do descanso.

A luz, por mais fraca que seja, também aumenta as chances de um despertar na madrugada.

Mito do sono 8: Plantas no quarto prejudicam a respiração

Não é verdade, pode acalmar a sua avó, caro/a pai ou mãe de planta que nos lê. 

Ao contrário do que diz a cultura popular, as plantas não “roubam” o nosso ar e nos fazem sufocar durante a noite. De fato elas consomem oxigênio, mas este consumo é em uma quantidade ínfima e muito menor do que um cachorro consumiria, por exemplo.

Mito do sono 9: Carboidratos engordam mais à noite

Nenhum fundamento. De fato, à noite devemos priorizar alimentos leves para ajudar na qualidade do sono, mas isso não quer dizer que algo engorde mais ou menos dependendo do horário de consumo.

“Não adianta cortar os carboidratos à noite e compensar comendo mais desse macronutriente durante o dia”, explica Marcella Garcez, diretora da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN). Ela diz ainda que, se bem escolhidos, eles podem até mesmo ajudar no descanso. “Alimentos ricos em carboidratos complexos podem melhorar a qualidade do sono, pois contribuem para a produção de serotonina, hormônio relacionado ao prazer e ao bem-estar ao dormir”.

Mito do sono 10: Ficar na cama ajuda a pegar no sono

Muito pelo contrário! Ficar rolando de um lado para o outro na cama enquanto o sono não vem na verdade atrapalha o seu descanso, porque gera ansiedade e pouco a pouco o cérebro começa a associar o colchão à insônia.

A recomendação é que, se em 20 ou 30 minutos o sono não vier, você deve se levantar, ir para outro cômodo, ler um pouco à meia-luz. Volte para a cama apenas quando aparecer a sonolência.

Mito do sono 11: O importante é dormir, não importa a hora

Falso. Evidentemente algumas pessoas não têm opção: por conta do trabalho noturno, não tem como dormir de noite. Mas isso não é bom para a saúde.

O nosso corpo tem um “relógio biológico”, o ritmo circadiano, que nos faz acordar com a luz do dia e ir dormir com a escuridão da noite. E isso não acontece “por acaso”.

Dormir habitualmente em outros horários está associado ao sono de má qualidade, afinal, não é a “hora certa”. Caso você precise ficar acordado de madrugada, quando se deitar cubra os olhos com uma máscara ou use uma cortina blackout para simular da melhor maneira possível um ambiente escuro.

Mito do sono 12: Lembrar do sonho é sinal de que se dormiu bem

Mito. Cientificamente falando, você se lembra dos seus sonhos quando acorda no meio da etapa REM do sono, que é quando eles ocorrem.

Ou seja: se lembrar do sonho só quer dizer que você acordou no momento exato para isso, não que o descanso foi restaurador.

Mito do sono 13: Nunca acordar um sonâmbulo 

Mentira. Pode ficar tranquilo: acordar um sonâmbulo não vai causar nele um ataque cardíaco. O Serviço de Saúde Pública do Reino Unido (NHS) sugere, porém, que você o faça de maneira gentil, sem gritar ou assustar a pessoa.

Ainda de acordo com a NHS, a melhor coisa a se fazer ao detectar uma crise de sonambulismo em alguém, é garantir a sua segurança e depois levá-lo calmamente de volta para a cama. 

E aí, em quantos desses mitos do sono você acreditava? Continue acompanhando os conteúdos no Blog e no Instagram do Persono.

Compartilhar artigo

Leia também

Arrow
Arrow
Faça parte da comunidade Persono
Enviaremos somente conteúdos relevantes para contribuir com a qualidade do seu sono e não encher a sua caixa de email