Quer receber mais conteúdos gratuitos sobre o sono?

CloseIconMenu

01 de junho, 2022

Epilepsia e sono: qual a relação entre os dois?

Epilepsia e sono: qual a relação entre os dois?

O que personalidades históricas como o pintor holandês Van Gogh, o imperador D. Pedro I e o escritor russo Dostoiévski tinham em comum? Todos eles tiveram epilepsia. Ainda hoje, essa condição neurológica afeta em torno de 50 milhões de pessoas no mundo, de acordo com a OMS, e ela tem uma relação com o sono já conhecida há muito tempo. 

Noites mal dormidas podem afetar diretamente quem sofre com epilepsia e a epilepsia pode causar noites ruins. Para que as crises não atrapalhem a hora do descanso é necessário acompanhamento médico e autocuidado. 

De sono entendemos bastante aqui no Persono, mas para saber mais sobre a relação dele com a epilepsia é preciso conhecer um pouco mais sobre esse distúrbio.

O que é epilepsia?

A epilepsia é um distúrbio neurológico, como enxaquecas, derrames e doença de Alzheimer, relativamente comum. Sua principal característica é a ocorrência de crises epilépticas. Elas acontecem quando há um descontrole dos impulsos elétricos trocados entre os neurônios para se comunicarem entre si.

Umas das crises epiléticas mais famosas é a convulsão. Durante uma crise convulsiva, a pessoa apresenta contrações musculares em todo o corpo, salivação exagerada, perda de consciência, podendo chegar a morder a língua, urinar ou defecar. 

Além da convulsão, existem outros tipos de crises que algumas vezes não são tão facilmente reconhecidas. A pessoa pode se desconectar do ambiente em que está, ter espasmos ou perder a consciência.

Como é feito o diagnóstico

A epilepsia é diagnosticada pelo médico quando o paciente tem duas ou mais convulsões com pelo menos um dia de intervalo. Junto a essa informação, o especialista também investiga o histórico do paciente e da família, além de realizar exames como eletroencefalograma, tomografia de crânio e ressonância magnética do cérebro.

Diferentes problemas de saúde podem levar uma pessoa a ter epilepsia. Os mais comuns são tumor cerebral, derrame, traumatismo craniano, infecção no cérebro por parasitas ou vírus. Existe também a epilepsia de causa desconhecida, chamada pelos médicos de idiopática. Ela afeta de 2 a cada 3 pacientes. 

Falta de sono: gatilho para a epilepsia

O sono e a epilepsia tem uma relação bidirecional, o que significa que um afeta o outro. Nosso sistema nervoso fica abalado quando deixamos de dormir uma noite, consequentemente nosso corpo pode alterar a frequência de comunicação entre as células nervosas e desencadear uma crise convulsiva. 

É por isso que pessoas com epilepsia devem priorizar na rotina suas noites de sono. Um estudo feito por pesquisadores turcos com 75 pacientes com epilepsia mostrou que uma noite mal dormida pode estar associada à frequência de convulsões.

O mesmo estudo também identificou uma correlação entre pessoas com epilepsia que não dormem bem e sintomas de fadiga, sonolência diurna e depressão. Outras doenças relacionadas ao sono são comuns em pessoas com epilepsia. 

A insônia é uma delas. Sua presença está relacionada a quadros contínuos de convulsão e baixa qualidade de vida. Outro problema é a apneia obstrutiva do sono. Este distúrbio do sono inclusive é duas vezes mais comum em pacientes epiléticos.  

Regulando o sono para conviver com a epilepsia

As crises epiléticas podem sumir em alguns casos. Existem outros que o paciente convive com a doença pelo resto da vida, mas uma pessoa com epilepsia pode ter uma vida normal. O que ela precisa é cuidar bem de si mesma. O acompanhamento médico é necessário para o monitoramento da medicação, que são os anticonvulsivos. 

Além do cuidado com o especialista, o paciente que sofre dessa condição precisa realizar algumas mudanças de hábitos. Gatilhos que possam desencadear crises devem ser observados e relatados para o médico.

Em relação ao sono, é importante dormir as horas necessárias para que o corpo se recupere do cansaço do dia que acabou. Uma dica é criar uma rotina de higiene do sono, que nada mais é do que um processo para ensinar o corpo a hora de dormir.

Boa noite!

Compartilhar artigo

Descubra mais conteúdo sobre:

Leia também

Arrow
Arrow
Faça parte da comunidade Persono
Enviaremos somente conteúdos relevantes para contribuir com a qualidade do seu sono e não encher a sua caixa de email