A diferença entre o Terror Noturno e os Pesadelos

17 de janeiro, 2022

A diferença entre o Terror Noturno e os Pesadelos

Dormir é uma delícia, certo? A gente desconecta da vida real, descansa corpo e mente e apenas se deixa levar pelos sonhos. Bem, nem para todo mundo a coisa é tão fácil assim. São as pessoas que sofrem, por exemplo, de pesadelos frequentes, paralisia do sono ou terror noturno.

O terror noturno e os pesadelos, aliás, não são a mesma coisa, apesar de carregarem grandes similaridades. 

Explicando os pesadelos

A definição de pesadelo éum sonho vívido, tão intenso que parece real, e que tem uma narrativa ameaçadora, inquietante, bizarra e prejudica a tranquilidade noturna. Ele pode acontecer em qualquer fase da vida.

O pesadelo se diferencia do sonho ruim na intensidade que gera o despertar no meio da experiência. Se o susto ou o medo é forte o suficiente para fazer a pessoa acordar, é um pesadelo. Se não existe o despertar noturno, é “apenas” um sonho ruim.

A ciência do sono não tem ainda uma conclusão definitiva sobre o que causa um pesadelo, mas existem alguns gatilhos, tais como o abuso de álcool e drogas, ansiedade, estresse,  consumo de conteúdos assustadores e privação de sono, entre outros. A genética também pesa na quantidade de pesadelos que uma pessoa tem. 

Quando a ocorrência do pesadelo se torna frequente a ponto de atrapalhar a saúde, o humor e a produtividade de uma pessoa, ele pode passar a ser caracterizado como distúrbio do pesadelo, aí sim um distúrbio do sono que exige cuidados e tratamento e está sob o CID F51.5.

Entendendo o terror noturno

Na definição do ICSD (International classification of sleep disorders) o terror noturno é caracterizado como um despertar repentino do sono de ondas lentas com um grito cortante ou choro acompanhado de manifestações autônomas e comportamentais de medo intenso“.  

Durante um episódio, a pessoa se senta na cama e pode abrir os olhos e chutar o ar, mas ao mesmo tempo não responde a estímulos externos. Ele ainda pode ser acompanhado de diferentes reações tais como taquicardia, avermelhamento da pele, suor, tensão muscular, dilatação das pupilas e respiração agitada.

Caso haja um despertar, o paciente fica confuso e desorientado, na grande maioria dos casos sem a menor lembrança do que aconteceu.

O distúrbio do terror noturno é uma parassonia classificada no CID F51.4. Ele é típico da infância e na maioria dos casos se resolve já no início da pré-adolescência. Os episódios podem durar desde alguns segundos até 15 minutos.

Em termos gerais, esse é um distúrbio do sono sem grandes consequências clínicas, mas recomenda-se contato com um médico quando os episódios são muito frequentes ou longos.

Diferença entre o distúrbio do pesadelo e o terror noturno

Os CIDs diferentes já indicam que um pesadelo e um episódio de terror noturno não são a mesma coisa. E, de fato, apesar de os dois terem uma expressão de medo profundo durante o sono, são distúrbios diferentes.

Abaixo, você conhece alguns dos fatores diferenciadores entre eles além da faixa etária.

Fase do sono 

Os pesadelos, assim como os sonhos, podem acontecer em qualquer uma das quatro fases do sono, mas são mais frequentes, mais vívidos e (possivelmente, dizem algumas teorias) mais lembrados quando ocorrem durante o sono REM

o terror noturno está associado às fases não-REM do sono, quando a criança está transitando entre o sono e o despertar. 

Momento da noite

Novamente uma diferença bastante notável. Os pesadelos são mais frequentes e intensos no final da noite, quando estamos mais perto de acordar. Isso acontece porque, com o passar dos ciclos do sono, o sono REM vai ficando mais longo. 

Do outro lado do espectro, o terror noturno é muito mais frequente nas três primeiras horas de sono, quando as fases mais leves do ciclo predominam.

Lembrança do ocorrido e confusão mental

É normal que a pessoa que passe por um pesadelo se lembre com certa facilidade da narrativa da história, o que impulsiona a crença de que nos lembramos dos sonhos (e consequentemente pesadelos) porque despertamos no meio deles. Logo depois de acordar de um pesadelo já somos capazes de nos orientar espacialmente.

Apesar de algumas pessoas serem capazes de ter uma vaga memória de algum tipo de alucinação durante um episódio, na essência existe um caráter de amnésia quando há um caso de terror noturno

Movimentos

Uma das características essenciais do sono REM, e consequentemente dos pesadelos, é a atonia, uma espécie de paralisia temporária dos músculos do corpo.Você não se mexe enquanto passa por eles.

Durante um episódio de terror noturno a pessoa costuma sentar-se e pode, por exemplo, abrir os olhos e fazer movimentos de chute. Além disso, não é incomum a associação com o sonambulismo.

Facilidade de acordar

Acordar uma pessoa durante um pesadelo é uma tarefa relativamente simples. 

Acordar uma pessoa durante um terror noturno é uma tarefa muito mais difícil.

Reação

Até a reação de medo diferencia o pesadelo do terror noturno. Enquanto durante o primeiro a pessoa está assustada, durante o segundo a reação é de pavor total, amplificando ainda mais pelo grito e/ou choro, frequentes durante o terror.

Se você acredita estar passando por isso ou alguém que você conheça, procure um médico para ser aconselhado e investigar outros distúrbios do sono associados. Esse geralmente é o caminho a ser seguido, já que para o terror especificamente não há tratamento.

Boa noite.

Compartilhar artigo

Leia também

Arrow
Arrow
Faça parte da comunidade Persono
Enviaremos somente conteúdos relevantes para contribuir com a qualidade do seu sono e não encher a sua caixa de email