Como interpretar os resultados do seu monitor de sono

29 de julho, 2021

Como interpretar os resultados do seu monitor de sono

Começar a monitorar o sono é um passo importante na busca individual pela saúde. Afinal, nós não podemos melhorar aquilo que não somos capazes de medir e o sono está intimamente ligado à qualidade de vida. Daí vem a crescente popularidade do monitor de sono caseiro.

Para viver bem, é preciso dormir bem. Mas é difícil saber se você está dormindo bem sem monitorar o sono e como é inviável (e até desconfortável) fazer polissonografias frequentes, os chamados sleep trackers são uma solução cada vez mais acessível para ficar de olho em como dormimos. 

E respondendo à pergunta que com certeza vem à seguir: sim, alguns desses monitores de sono são confiáveis. 

Como funcionam os monitores de sono do tipo relógio?

O que os sleep trackers fazem é monitorar os sinais do seu corpo compatíveis com o estado dormindo. Dependendo da marca e da tecnologia do aparelho, esses sinais são diferentes. Eles podem incluir batimentos cardíacos, temperatura, pressão arterial e respiração.

A maioria dos modelos comerciais de monitor de sono também usam um acelerômetro para detectar quando alguém se mexe, pois entende-se que a ausência de movimentos é um marco do sono. Alguns ainda utilizam microfones para detectar roncos, falas noturnas e respiração, que também são indicadores de que alguém não está acordado.

Os diferentes dados captados passam pelo processamento de algoritmos e machine learning para calcular se uma pessoa está dormindo ou não e apresentar os resultados, geralmente em um aplicativo ou site.

É preciso entender que o monitor de sono que hoje em dia pode ser encontrado em qualquer loja de tecnologia não monitora exatamente o sono. Somente uma polissonografia, que analisa a atividade cerebral, é capaz disso.

O meu monitor de sono é confiável?

Como ressaltamos antes, alguns de fato são sim confiáveis. Como o nosso objetivo aqui não é promover marcas, a sugestão é que antes de comprar ou trocar o seu, você faça uma pesquisa na internet. Além dos reviews de usuários, muitos desses modelos de monitor de sono foram objeto de estudos científicos sérios e independentes, atestando a sua qualidade.

Uma pesquisa publicada em maio de 2021 pela revista científica Sleep, ligada à Universidade de Oxford, mostrou que alguns sleep trackers populares chegam a apresentar resultados mais precisos que os actígrafos. A polissonografia, como era de se esperar, permanece imbatível. 

A publicação faz, porém, uma ressalva: essa precisão de resultados do monitor de sono comercial refere-se apenas a detectar os estados dormindo e acordado. Já a detecção das fases do sono é “inconsistente”. 

Se aliados, porém, a um histórico clínico aprofundado e com acompanhamento especializado, esses dados podem ser muito úteis. É o caso, por exemplo, de pacientes com fibromialgia, doença reumatológica que tem como uma de suas consequências a dificuldade de se alcançar e manter o sono profundo. Por isso é aconselhável compartilhar os seus resultados com o seu médico de confiança. 

“Quando o paciente assume o papel de ele mesmo interpretar os dados fornecidos pelo aplicativo, (…) essas informações podem sugerir um diagnóstico errôneo e causar na própria pessoa uma ansiedade e uma expectativa com algo que pode não ser compatível com o que ela realmente possui”, explica o Dr. George do Lago Pinheiro, médico pesquisador do Laboratório do Sono do Instituto do Coração – InCor e otorrinolaringologista do Núcleo Interdisciplinar da Ciência do Sono em entrevista à Associação Brasileira do Sono, parceira do  Persono.

Que dados os sleep trackers monitoram?

Cada marca e cada modelo monitoram aspectos e características diferentes do sono. Abaixo você verá alguns dos dados mais comuns e como interpretá-los.

Duração do Sono

Sendo tão bons para detectar as diferenças entre estados acordado e dormindo, os monitores de sono são interessantes para compreender a duração do sono de uma pessoa. 

De acordo com a Fundação Nacional do Sono americana, um adulto deve dormir de 7 a 9 horas por noite. Esse número pode variar ligeiramente de pessoa para pessoa.

Regularidade do Sono

Em termos de sono, a regularidade é tão importante quanto a duração. Ou seja: dormir e acordar mais ou menos no mesmo horário todos os dias, incluindo finais de semana.

Somente ao acompanhar este dado a médio e longo prazo, é possível entender se, de fato, o sono de uma pessoa é regular. Essa é “A” vantagem do monitor do sono em relação à polissonografia: a frequência.

Latência do Sono

Latência do sono é o tempo que uma pessoa leva entre apagar as luzes e efetivamente começar a dormir. Recomenda-se que ela não supere os 30 minutos para não prejudicar a qualidade do sono. 

Despertares noturnos

A quantidade de vezes que uma pessoa acorda de madrugada é outro marcador da qualidade do sono. Só que muitas vezes, ao despertar pela manhã, as pessoas podem nem se lembrar que isso aconteceu. Daí a importância do monitor do sono neste sentido. 

O máximo de despertares noturnos considerados “normais” é um, não mais do que isso. 

Tempo total na cama

Até mesmo isso é um ponto de atenção na ciência do sono. Anote o número: 85% do tempo passado na cama deve ser dormindo. Chegou-se à essa conclusão calculando-se o máximo de latência do sono e o tempo recomendado para voltar a dormir depois de um despertar de madrugada (não pode superar os 20 minutos).

Fases do sono

A tela de resultados de um sleep tracker pode incluir dados sobre o tempo que uma pessoa passou em cada uma das fases do sono e até mesmo trazer um gráfico representativo dos ciclos noturnos. 

Esses são os dados de um monitor de sono que precisam ser tomados com mais cuidado.

Agentes externos

Alguns modelos de monitor de sono também levam em consideração fatores alheios a uma pessoa para determinar a qualidade da noite, tais como a temperatura ambiente, nível de ruído e incidência de luz no ambiente.

Estilo de vida

O que uma pessoa faz durante o dia tem impacto direto na sua maneira de dormir. Por esse motivo, alguns apps de monitoramento de sono pedem informações sobre isso também. Alguns desses dados podem incluir (porém não se limitar a) consumo de cafeína, prática de exercícios físicos, medicações e consumo de álcool, entre outros. 

Nunca é demais relembrar que o monitor de sono que você tem ou está pensando em ter em casa não substitui exames médicos específicos para analisar o sono e distúrbios do sono. Mas ele é importantíssimo na conscientização sobre a regularidade e sobretudo pensando em saúde. 

Dormir bem para viver melhor, monitorar o sono para saber se ele realmente está bom.

Compartilhar artigo

Leia também

Arrow
Arrow
Faça parte da comunidade Persono
Enviaremos somente conteúdos relevantes para contribuir com a qualidade do seu sono e não encher a sua caixa de email